“Estupro culposo”: jundiaienses fazem ato em apoio a Mari Ferrer

“Estupro culposo”: jundiaienses fazem ato em apoio a Mari Ferrer
5 de novembro de 2020 Sumara Mesquita

“Estupro culposo”: jundiaienses fazem ato em apoio a Mari Ferrer

Manifesto será neste sábado (7) a partir das 9 horas, com concentração na praça Ruy Barbosa e caminhada pelo centro.

Mulheres de todo o país organizam atos em apoio à jovem Mari Ferrer, produtora de eventos que acusa o empresário André de Camargo Aranha por estupro, durante um evento em 2018. A vítima passou por audiência online de julgamento em setembro e foi humilhada pelo advogado de defesa do réu, Cláudio Gastão da Rosa Filho.

O juiz do caso, Rudson Marcos, inocentou Aranha após o Ministério Público fazer a defesa do acusado, afirmando que ele ‘’não sabia que a vítima não estava capaz de consentir a relação’’. O argumento acabou gerando o termo “estupro culposo”, duramente criticado nos últimos dias. O termo é inexistente na legislação brasileira.

Em Jundiaí, o protesto acontece neste sábado (7), com concentração, a partir das 9 horas, na Praça Ruy Barbosa, com ato na Praça da Matriz. Em seguida, @s manifestantes seguem em caminhada pelo calçadão até a Praça do Fórum.

O movimento está sendo organizado por um coletivo de mulheres, com apoio das PLPs, Promotoras Legais Populares, e da Rede Valentes, que ampara e orienta mulheres em casos de violência.

O coletivo avalia que a decisão da Justiça em inocentar André Aranha abre um precedente perigoso, colocando as vítimas de abuso sexual em situação ainda mais vulnerável. “Uma decisão absurda como essa irá calar ainda mais as mulheres que já se sentem apavoradas em expor a violência e, em muitos casos, mesmo após um longo processo, com provas e testemunhas,  acabam vendo o agressor ser inocentado e ir embora, livre”, destacam.

AGENDA

ATO EM APOIO À MARI FERRER #ESTUPROCULPOSONÃOEXISTE

  • SÁBADO – 7 DE NOVEMBRO
  • 9 HORAS – CONCENTRAÇÃO NA PRAÇA RUY BARBOSA
  • 10 HORAS – ATO NA PRAÇA DA MATRIZ E  CAMINHADA ATÉ A PRAÇA DO FÓRUM
  • O ATO É ABERTO AO PÚBLICO

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*