Declarações do governo incentivam turismo sexual como na época da Ditadura

Declarações do governo incentivam turismo sexual como na época da Ditadura
3 de maio de 2019 Sumara Mesquita

No passado, Brasil já teve material oficial de turismo com apelo sexual. Era o marketing da Embratur, criada pelos militares

Resultado de imagem para turismo sexual embratur

 

As declarações de Jair Bolsonaro que abrem interpretação para o incentivo do turismo sexual no país remetem à época da ditadura.

Em 1966, os militares criaram a Empresa Brasileira de Turismo, a Embratur. O órgão era responsável pela promoção de atrações turísticas do país no cenário mundial.

Para isso, uma das principais estratégias da empresa era incentivar o turismo sexual. O objetivo era claro e estampado por todo o material publicitário, que, até 1985, trazia mulheres com pouca roupa como um convite para estrangeiros conhecerem o Brasil. Com o fim do regime ditatorial, profissionais das Ciências Humanas assumiram a Embratur e constataram o resultado negativo dessas campanhas sobre a imagem da mulher brasileira no exterior.

De lá para cá, as propagandas turísticas do país são voltadas para as belezas históricas e naturais, em uma tentativa de desfazer o incentivo ao turismo sexual.

No fim do mês passado, porém, o presidente Jair Bolsonaro, em discurso homofóbico, afirmou que o Brasil não pode ser destino do “turismo gay” e que “quem quiser vir fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, (o país) não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”.

Mais uma vez, portanto, a mulher brasileira foi tratada como objeto para impulsionar o crescimento do número de visitas estrangeiras ao país, erro que da última vez levou décadas para ser desfeito.

A declaração foi entendida como uma violação à honra, imagem e dignidade de mulheres e da população LGBTQ, de acordo com nota de repúdio assinada por mais de 125 entidades, entre elas, o Coletivo Transforma MP, o MPT Mulheres, que reúne integrantes do Ministério Público do Trabalho, a Marcha das Mulheres Negras de São Paulo e a Associação dos Juízes para a Democracia (ADJ), e muitas outras.

O repúdio também partiu de seis estados brasileiros – Bahia, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Espírito Santo –, que trataram de lançar campanhas de conscientização contra o turismo sexual.

Centenas de entidades pelos direitos das mulheres criaram, também, uma petição online para que a população possa se expressar contra a declaração do presidente.

A fala ocorre em um país em que, segundo reportagem da  RBA, entre 2012 e 2016, as denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes chegou a registrar quatro casos por hora, em um total de 175 mil ocorrências colhidas pelo Disque 100, canal para relatar casos de violação de direitos humanos.

Em resposta à declaração de Bolsonaro, vários estados estão dando o recado contra o turismo sexual.

Resultado de imagem para flavio dino turismo sexual

Resultado de imagem para bahia contra turismo sexual

 

 

fonte: Hypeness

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*