Refogado do Sandi celebra força feminina em seu Jubileu de Prata

Refogado do Sandi celebra força feminina em seu Jubileu de Prata
20 de fevereiro de 2019 Sumara Mesquita

Refogado do Sandi celebra força feminina em seu Jubileu de Prata

Aos 25 anos, maior e mais tradicional bloco carnavalesco de Jundiaí e região celebra força das mulheres com desfile contra a violência.

 

O Bloco carnavalesco Refogado do Sandi, registrado como patrimônio cultural imaterial de Jundiaí, completa 25 anos neste carnaval. Para celebrar seu Jubileu de Prata, o bloco mais tradicional da cidade enaltece a força feminina neste carnaval que coincide com o Mês da Mulher. A diretoria já começou inovando ao eleger uma corte 100% feminina, incluindo uma guardiã, posto até então ocupado por homens. Outra ação que já desperta a atenção dos foliões é o “Mamaço” com mães que irão amamentar seus bebês livremente durante a saída do bloco que acontece na sexta de Carnaval, dia 1º de março.

A diretoria destaca que as mulheres sempre foram protagonistas no Refogado. Justamente por esse motivo o fundador Erazê Martinho (1933-2016) não criou uma vaga para rei na corte refoguense em que são eleitas rainhas e princesas. Só a partir de 2008 foi criada uma corte mais robusta, com madrinha da banda e a vaga de guardião com a doce tarefa de proteger a ala nobre do Sandi.

Em seus 25 anos o Refogado tem recebido o reconhecimento merecido por sua importante trajetória e também por trazer luz a esse momento tão conturbado e delicado do país, que enfrenta uma onda crescente de intolerância e violência, a exemplo dos mais de 100 casos de feminicídio registrados somente em janeiro de 2019.  “Estamos mostrando que o papel dos blocos de rua é também o de alertar a sociedade e questionar a atual conjuntura em que vivemos”, diz a advogada Gisela Vieira, ‘deretora’ do Bloco, referindo-se ao aumento da violência contra a mulher.

Sobre o ‘Mamaço’, a jornalista e doula Tatiana Fávaro, organizadora da Ala ‘Mamaço do Sandi’, diz que amamentar é um ato natural e não deveria ser hostilizado, censurado ou discriminado. “É mais uma incongruência social: peito de fora no carnaval é bonito, em revista masculina é fetiche, mas quando uma mãe põe o peito de fora pra amamentar num ponto de ônibus, no shopping, num restaurante, tem gente que torce o nariz, fala bobagem e até xinga”, contesta.

 

Festa de responsa e de respeito

A eterna porta estandarte do Bloco, Rita Rodrigues, diz que a celebração ao feminino abre alas com força e beleza para o Mês das Mulheres. “Temos certeza que nosso mestre Erazê Martinho ficaria muito feliz com essa postura revolucionária e tão necessária de nosso bloco que aproveita o mês de março para também celebrar a garra e a coragem das centenas de mulheres que fizeram e fazem parte desse gigante patrimoniado”, disse.

Rainha eleita para este ano, a jornalista Liliane Rossi, afirma que estar à frente de um dos maiores blocos do interior paulista é uma grande honra. “É uma emoção sem precedentes em minha vida. Fazer parte da corte do Refogado, especialmente neste ano em que nosso país atravessa um momento tão difícil, mas ao mesmo tempo com tanta gente querida resistindo e lutando contra tanta violência e o retrocesso, me fazem ter a certeza de que estou no Bloco certo e, não à toa, o mais amado da cidade”.

 

De olho na agenda do Refogado!

  • Dia 22/2- 20h – ‘Festa da Corte’ no Restaurante Las Muchachas (R$10)
  • Dia 27/02 – 20h – ‘Festa Última Chamada do Refogado’, no Bar Natura
  • Dia 1º de março- 16h – Desfile do Bloco no centro da cidade com concentração às 15 horas no Gabinete de Leitura Rui Barbosa
  • Dia 1º de março – 20h – ‘Festa do Jubileu de Prata do Refogado’ no Clube Grêmio (logo após o desfile no centro)

Detalhes sobre o Mamaço podem ser obtidos com Tatiana Fávaro pelo direct do Instagram no (@tatifavaro

 

 

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*