Cães e gatos precisam de cuidados redobrados no inverno

Cães e gatos precisam de cuidados redobrados no inverno
24 de julho de 2018 Sumara Mesquita

Cães e gatos precisam de cuidados redobrados no inverno

“Hipotermia pode levar animais à morte”, explica a médica veterinária Mariane Arakaki.

No inverno, principalmente em dias com temperatura abaixo dos 15ºC, é preciso tomar alguns cuidados especiais com os pets, como deixá-los em lugares sem umidade, protegidos do vento, aquecidos com roupas ou  cobertas, bem alimentados e hidratados, explica a médica veterinária Mariane Rela Arakaki, clínica geral e diretora clínica do Hospital Clinicão e Gato.

Uma diferença importante é lembrar que os cães e gatos possuem uma temperatura corporal mais elevada,  se comparados ao ser humano , em torno de 2 graus , portanto, uma normalidade de 37,5 a 39,5 C. Mas isso também depende da raça e do tipo da pelagem, segundo Mariane. Os animais de pelo longo, como Shih-tzu e São Bernardo, por exemplo, sofrem mais no verão e se adaptam melhor às baixas temperaturas. Já os de pelagem curta, como o Pinscher, precisam ficar mais aquecidos e usar roupas normalmente.

Segundo a médica veterinária, o ideal é prevenir a hipotermia, que pode levar o animal à morte. Para isso, alguns cuidados são necessários e o proprietário precisa estar sempre atento ao seu pet. “Com o frio e o ar seco, as doenças respiratórias atacam com maior frequência, portanto o animal deve estar sempre bem hidratado.”

Outro cuidado é manter cães e gatos aquecidos. Os gatos, por exemplo, não aceitam bem a roupa, por isso é essencial deixar suas camas, abrigos ou mesmo caixas de papelão com cobertores. Mariane ensina um truque para manter os gatos quentinhos. “Coloque água quente em uma garrafa pet, enrole ela em um cobertor e deixe-a dentro do abrigo ou próximo à cama do gato, isso irá mantê-lo aquecido.”

Já os cães, que normalmente toleram bem as roupas, nunca devem  dormir em contato com o chão.  Na ausência de uma cama ou colchão, o papelão ou uma placa de madeira funcionam bem como isolantes térmicos. Cobertores também são bem-vindos. E Mariane alerta para evitar a tosa zero durante o inverno, pois a pelagem é uma proteção natural.

Já para os cães que dormem fora de casa, e em espaços sem cobertura, o ideal é abrigá-los em uma casinha, com cobertor, roupa e com a entrada contra a direção do vento.

Mariane salienta que cães e gatos gestantes, filhotes, idosos e com alguma doença – seja ela respiratória ou nas articulações – exigem cuidados redobrados no inverno. Os donos devem estar atentos para evitar complicações como pneumonias e paralisias. “Os idosos não tem mais a qualidade de manter a temperatura ideal, e como mudam de hábitos com a idade é preciso prestar muita atenção em seu comportamento. O mesmo ocorre com os filhotes, que devem ficar bem aquecidos e alimentados.”

Mas atenção para não aquecê-los demais com roupas e cobertores. “O excesso de aquecimento também prejudica, então fique de olho e observe a necessidade de seu animal.”

Orientações médicas

“Quando o animal tem alguma doença, seja ela respiratória ou nas articulações, o ideal é consultar o médico-veterinário para confirmar o melhor tratamento – inclusive a dose da medicação – com a chegada do inverno”, orienta Mariane.

Ela ainda ressalta que a alimentação só deve ser alterada no caso dos animais idosos, que precisam ingerir mais calorias no frio. Quanto ao banho, eles devem ser mais espaçados, mas somente para aqueles que o fazem em casa.  Isso porque nos pet shops o cuidado com a temperatura já faz parte da rotina.

A médica veterinária também faz um alerta quanto aos passeios: evitar os períodos mais gelados, como bem cedinho ou muito tarde da noite. “Escolha um período com temperaturas mais amenas”, diz.

fonte: Assessoria Clinicão e Gato

foto: Kiara, paciente do Clinicão, protegida por cobertas para evitar hipotermia e doenças de inverno

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*