Aos 112 anos, Gabinete de Leitura Ruy Barbosa é premiado em edital do PROAC

Aos 112 anos, Gabinete de Leitura Ruy Barbosa é premiado em edital do PROAC
29 de janeiro de 2020 Sumara Mesquita

Aos 112 anos, Gabinete de Leitura é premiado em edital do PROAC

Grupo formado por pesquisadores de patrimônio cultural vai usar recurso para difundir o acervo. Verba de R$100 mil também será destinada a oficinas que começam em fevereiro.

O centenário Gabinete de Leitura Rui Barbosa inicia 2020 com uma excelente notícia. Remanescente das primeiras bibliotecas da província de São Paulo, o Gabinete, reconhecido e tombado pelo Condephaat, conquista pela primeira vez, em seus 110 anos, um recurso com Lei de Incentivo Cultural. A verba, obtida por meio de edital do Proac, Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo, será destinada para difundir o acervo do Gabinete, que inclui livros, documentos e obras de arte. O recurso também será utilizado na realização de atividades culturais literárias como forma de atrair um novo público.

Vânia Feitosa, pesquisadora de patrimônio cultural e coordenadora do projeto premiado, ‘Memórias Literárias’, conta que a ideia surgiu após a publicação de edital do Proac para criação de livros que contassem a história de patrimônios tombados. ‘’Conversando com a fotógrafa Adriana Zutini, atual presidente do Gabinete e soubemos da situação da instituição, que está passando por dificuldades para se manter em decorrência das mudanças sociais e também com o advento da internet, que tem afastado os leitores de espaços como esse’’.

O objetivo do projeto, segundo Vânia, é também incentivar novos apreciadores da literatura e oferecer atividades de patrimônio cultural para estudantes e profissionais da região, além de contribuir na manutenção e preservação do local. ‘’O Gabinete teve seu auge nos anos 80, com uma legião de associados. Mas esse número reduziu muito e a entidade não conta com subsídios e incentivos governamentais, sobrevivendo apenas da mensalidade de seus associados’’.

Vânia explica que o recurso vai ajudar muito, mas com ações pontuais. ‘’Na verdade, o recurso do Proac é um impulso inicial para que a sociedade se interesse pelo Gabinete e passe a frequentá-lo, ajudando a manter toda sua história e a preservar a memória da cidade. Daí a grande relevância do projeto’’.

A presidente do Gabinete, Adriana Zutini, lembra que, apesar do momento difícil, o espaço continua sendo um polo de atividades culturais reconhecido em toda a região. ‘’A despeito da falta de recursos, o Gabinete ainda é um importante ponto de referência por sua história e sua localização. Aqui ocorrem lançamento de livros, exposições de arte, palestras e grandes eventos, a exemplo do bloco carnavalesco Refogado do Sandi, que há anos reúne milhares de pessoas e faz a concentração de seu desfile dentro do Gabinete de Leitura’’.

Preservação e difusão

Três eixos principais vão marcar a utilização do recurso vindo do Proac. Além das ações voltadas para a preservação de todo o acervo, serão realizadas atividades culturais literárias e ações de difusão do acervo e da memória com práticas de formação e visitas mediadas.

Vânia informa que serão realizadas dez atividades culturais, para diversas idades, no período de nove meses. O valor total do recurso é de R$ 100 mil reais.

O projeto tem realização do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

Confira as atividades culturais

  • Clube de leitura
  • Encontro com leitores
  • Encontro de quadrinhos
  • Oficina de escrita criativa
  • Contação de histórias
  • Cineclube da Esquina
  • Oficina de preservação de acervo de documentos
  • Oficina de conservação de acervos fotográficos
  • Curso introdutório de conservação de obras de arte
  • Visitas mediadas no Gabinete

Jovem de 14 anos idealizou o Gabinete em 1882

O Gabinete de Leitura Ruy Barbosa, cravado no centro histórico de Jundiaí, foi idealizado em 1882 por um jovem de 14 anos, chamado José Feliciano. Em 1908 os ferroviários da Companhia Paulista de Estrada de Ferro fundaram o espaço, época em que o acesso ao livro era altamente elitizado. Em 1923 a construção foi batizada como Gabinete de Leitura Ruy Barbosa, momento em que a cidade passava por uma modernização e em que foram fundadas entidades voltadas ao esporte, cultura e lazer.

O prédio do Gabinete foi reconhecido e tombado pelo Condephaat em 2010 por suas características arquitetônicas como patrimônio cultural.

Atualmente, o acervo conta com quadros, documentos históricos e livros, acumulando cerca de 45 mil itens. Ao longo de sua trajetória, o Gabinete foi palco de lançamento de livros, exposições, saraus e do Cineclube na Esquina nos ano 80, ponto de encontro de cinéfilos onde eram exibidos filmes em Super 8mm, com discussões após a exibição.

Em breve a agenda completa do Projeto ‘’Memórias Literárias’’ estará disponível no site, que está sendo totalmente reformulado .

http://www.gabinete.org.br/ ou no Facebook: Gabinete de Leitura Ruy Barbosa.

 

Acervo conta com mais de 45 mil itens

Adriana Zutini, presidente do Gabinete, e Vânia Feitosa, coordenadora do projeto: ações culturais têm início em fevereiro

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*